quarta-feira, 7 de maio de 2014

PRODUTOS NATURAIS CONTRA INFLAMAÇÕES INTESTINAIS



30/04/2014

Produtos naturais superam medicamentos contra inflamações intestinais

    Produtos naturais superam medicamentos contra doenças inflamatórias intestinais
    A banana nanica é uma das estrelas da descoberta - há a possibilidade também de fazer suco de banana. [Imagem: Cortesia INVDES]  
     

    Produtos naturais derivados da flora brasileira são altamente eficientes no tratamento das doenças inflamatórias intestinais (DII), como a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn.
    Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) descobriram ainda novos marcadores moleculares que podem ampliar a compreensão que se tem dessas doenças, cuja etiologia (estudo das causas das doenças) ainda é desconhecida.

    "Trata-se de um projeto que consideramos audacioso por estudar tanto a doença em si, priorizando alvos moleculares da ação de fármacos clássicos, como alvos farmacológicos para novos produtos, como as cumarinas naturais e algumas plantas medicinais", disse Luiz Cláudio Di Stasi, responsável pela pesquisa.

    O grupo estudou vários agentes prebióticos - fibras que servem de "alimento" para as bactérias intestinais benéficas, ajudando a organizar a flora intestinal -, como a polidextrose e as fibras da banana nanica (Musa spp AAA) verde, do jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa) e da taboa (Typha angustifolia).

    "Consideramos a importância da microbiota intestinal na proteção contra o processo inflamatório para propor o estudo de alguns produtos naturais adicionados à dieta, que reunissem a capacidade de modular a microbiota intestinal previamente e agissem na prevenção das recidivas dos sintomas da retocolite ulcerativa e da doença de Crohn", disse Di Stasi.

    Banana nanica, jatobá, taboa e guaco
    Entre os principais resultados está a descoberta de que uma dieta com farinha de banana nanica verde pode impedir a inflamação intestinal - o estudo, por enquanto, foi feito apenas em roedores. A banana nanica também já havia sido incluída em uma dieta para minimizar os efeitos colaterais da quimioterapia.

    O extrato da casca do caule do jatobá-do-cerrado e a farinha da polpa da fruta apresentaram ação anti-inflamatória em ratos com inflamação intestinal induzida por ácido trinitrobenzeno sulfônico (TNBS) - os efeitos farmacológicos estão relacionados à presença de compostos antioxidantes no extrato, como flavonoides, taninos condensados e terpenos na casca e na polpa de frutos de jatobá-do-cerrado.

    Também foram estudadas várias concentrações da farinha produzida com o caule da taboa, planta aquática muito comum no Brasil, típica de brejos, manguezais e várzeas. Quando a farinha compõe 10% da dieta, há uma redução na lesão provocada por DII, com efeitos nas aderências de órgãos adjacentes e na diarreia.

    Esses efeitos estão relacionados à inibição de marcadores bioquímicos de inflamação colônica, como a atividade das enzimas mieloperoxidase, liberada em resposta a invasões microbianas, e fosfatase alcalina, que inibe o crescimento de bactérias intestinais que estimulam a inflamação e impedem a translocação de microrganismos para a corrente sanguínea, além de uma atenuação das atividades da glutationa, um antioxidante hidrossolúvel.

    "A farinha do caule da taboa demonstrou ser tão eficaz quanto a prednisolona, fármaco do grupo dos anti-inflamatórios esteroidais utilizado atualmente no tratamento de DII, com a vantagem de não apresentar efeitos adversos e colaterais", destacou Di Stasi.

    Em outro grupo de experimentos, o projeto estudou diferentes cumarinas naturais isoladas e, entre os resultados, destacam-se os obtidos com a 4-metil-esculetina, princípio ativo presente nas folhas e raízes de diversas espécies de plantas, entre as quais as do gênero Mikania, que incluem diferentes plantas conhecidas no Brasil como guaco.

    A pesquisa demonstrou que a 4-metil-esculetina produz efeitos semelhantes aos da prednisolona, e seus efeitos protetores estão relacionados à capacidade de reduzir o estresse oxidativo do cólon e inibir a produção de citocinas pró-inflamatórias. A administração de metil-esculetina nos modelos da pesquisa exerceu tanto efeitos preventivos quanto curativos, de acordo com o pesquisador.


    Alimentação e Nutrição - -Medicamentos Naturais -   Plantas Medicinais

     Ver todos os temas -  Mais lidas na semana:

     Áreas verdes diminuem ansiedade e estresse da população

     Sexo do cientista altera resultado de pesquisa com cobaias

     Produtos naturais superam medicamentos contra inflamações intestinais

     Neuromatemática, a nova ciência do cérebro

    Andar no caminho certo contra a "globesidade"

    Fonte:
     Com informações da Agência Fapesp
    http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=produtos-naturais-superam-medicamentos-contra-doencas-inflamatorias-intestinais&id=9689&nl=sit

    segunda-feira, 5 de maio de 2014

    FARINHA-SECA - ALBIZIA NIOPOIDES





     
     
    Uma História de Vida - 5min.

    Farinha-seca – Albizia niopoides

    A farinha-seca é uma árvore semidecídua, monóica, florífera, que apresenta tronco e copa ornamentais. Nativa da América do Sul, ela é encontrada em diversos estados brasileiros, desde o Rio Grande do Sul até o Pará, com menor incidência no nordeste do país.

    Seu tronco é cilíndrico, com cerca de 40 a 80 cm de diâmetro, e com fuste relativamente alto, que alcança 12 metros de altura. Atinge de 10 a 20 metros altura, contudo alguns indíviduos podem alcançar até 35 metros.

    A casca é espessa, pulvurulenta e amarelada, o que lhe é bastante característico e provavelmente lhe rendeu o curioso nome de farinha-seca. Suas folhas são bipinadas, alternas, com numerosos folíolos elípticos, brilhantes e de cor verde-escura. A copa é esparsa, aplanada e tem o formato de “V”.

    Floresce na primavera e verão, despontando inflorescências do tipo panícula terminal, com numerosos capítulos densamente recobertos pelos estames, de cor branca. O fruto que se segue é uma vagem achatada, deiscente e pardacenta. Elas contém sementes ovaladas, duras, pequenas e castanhas.

    O conjunto elegante formado pela copa, ramagem e tronco da farinha-seca a tornam uma árvore bastante decorativa, ideal para grandes espaços, como parques e jardins amplos. Quando florida é um espetáculo à parte e torna-se muito atrativa para abelhas e outros insetos polinizadores. Ameaçada de extinção, esta árvore nativa também é considerada pioneira e de sucessão primária, sendo importante incluí-la em programas de reflorestamento e recuperação ambiental. A velocidade de seu crescimento é rápida a moderada. Sua madeira é macia, clara, e frágil, podendo ser utilizada em caixotaria, artesanato e na confecção de objetos leves. Apesar de suas qualidades ornamentais e ecológicas, ainda é pouco utilizada em projetos paisagísticos.

    Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, profundo, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente nos primeiros anos após o plantio. Depois de bem estabelecida é tolerante a curtos períodos de estiagem. Resistente às geadas e baixas temperaturas típicas do clima subtropical do sudeste. Não tolera sombreamento. Após o corte, rebrota com facilidade. Multiplica-se por sementes, que devem ser recém colhidas de frutos maduros e escarificadas em ácido sulfúrico para a quebra da dormência. Plantar imediatamente em substrato mantido úmido.

    Fonte:
    Jardineiro.net
     http://www.jardineiro.net/plantas/farinha-seca-albizia-niopoides.html
    Licença padrão do YouTube

    PAU-ROSA - BOTÂNICA DO BRASIL




    Introdução
    As florestas de terra firme da região amazônica apresentam alta diversidade de espécies arbóreas (Rankin-de-Merona et al. 1992; Oliveira 2000), sendo parte delas de valor comercial (Clay et al. 1999). Estas espécies, a exemplo do pau-rosa, são as primeiras a serem atingidas com a exploração florestal. 

    O pau-rosa vem sendo utilizado durante décadas para a extração do linalol, produto valorizado por ser excelente fixador de perfumes (Alencar & Fernandes 1978), fato este que levou a um declínio de suas populações (Vieira 1970; Costa et al. 1995). Por esta razão, o IBAMA, através da Portaria N. 37-N, de 3 de abril de 1.992, considerou a espécie ameaçada de extinção.

    Apesar da importância econômica do pau-rosa, 
    pouco se conhece sobre a auto-ecologia da planta,(Impa?) 
     o que dificulta a elaboração de planos de conservação 
    e manejo da espécie. 


    Outro fato agravante é que o pau-rosa apresenta padrão de frutificação irregular e, quando frutifica, os frutos sofrem grande pressão de Psitacídeos e de larvas de insetos (Magalhães & Alencar 1979). No entanto, não existem dados qualitativos de produtividade e perda de frutos. Um dos objetivos desta pesquisa foi, portanto, quantificar a pressão destes consumidores de frutos, utilizando uma população de plantio sob sombra parcial de floresta primária, e propor soluções para manejo da espécie.

    Material e métodos
    Distribuição e característica da espécie - O pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke var. amazonica Ducke, Lauraceae), sinônimo Aniba duckei Kostermans, apresenta ampla distribuição geográfica ocorrendo em grande parte da região amazônica (Ducke 1930; 1938; Kostermans 1938).

     No Brasil, 
    as maiores populações 
    encontram-se restritas à porção ocidental da Amazônia 
    (Leite et al. 1999). 
    É espécie característica de floresta pluvial
     em solos argilosos não inundável (Ducke 1938). 
    As árvores atingem até 30m e todas as suas partes são aromáticas; casca pardo-amarelada, ritidoma desprende em placas grossas; folhas coriáceas; inflorescência lateral de 2,5cm de compr. multiflora, flores pequenas; cúpula do fruto espessa, ferrugínea; fruto do tipo baga, 26,5×19,5cm, cor vinho-escuro quando maduro (Fig. 1). A espécie apresenta sistema reprodutivo do tipo dicogamia sincrônica, onde existem duas classes de indivíduos com periodicidade floral (A e B), mecanismo que funciona como uma dioecia temporal (Kubitzki & Renner 1982; Kubitzki & Kurz 1984).


    Área de estudo - As pesquisas foram desenvolvidas em um plantio de pau-rosa localizado na Reserva Florestal Ducke (100km2) ao norte de Manaus, no km 27 da rodovia AM 010 (2 37'S, 60 11'O). O relevo da área é ondulado com uma variação de 100m entre os platôs originais e as partes baixas. A vegetação é característica de Floresta Tropical Chuvosa de terra-firme cortada por pequenos cursos de água (Prance 1990).

    A estrutura e florística dessa formação são definidas, principalmente, pelo tipo de solo e relevo (platô, vertente e baixio); nos platôs os solos são argilosos (latossolo amarelo-álico) e nas partes baixas, arenosos (podzóis e areias quartzosas) (Ribeiro et al. 1999). 

    O clima é do tipo Afi, de acordo com a classificação climatológica de Köppen. A temperatura média anual (32 anos) variou de um mínimo de 25,3ºC a um máximo de 26,4ºC, enquanto a umidade relativa do ar de 84 a 91%. A precipitação média anual é de 2.400mm, com máxima de 300mm em abril, e mínima de 99mm em julho. Na região de Manaus ocorrem duas estações distintas: a chuvosa, estendendo-se de dezembro a maio, e a seca, de junho a novembro. Segundo o balanço hídrico de Thornthwaite, ocorre déficit hídrico no solo, de agosto a outubro (Ribeiro & Villa Nova 1979).

    Produção e predação de frutos - O estudo foi desenvolvido em sistema de plantio de pau-rosa sob sombra parcial de floresta primária de terra firme; as árvores foram plantadas em 1967 dentro de uma parcela de 1ha, com espaçamento de 10×5m (Alencar & Fernandes 1978). A produtividade das árvores de pau-rosa foi quantificada utilizando coletores de frutos cobrindo toda a extensão da copa da árvore. Os coletores de frutos foram construídos utilizando telas de nylon (malha de 1,0mm; 1,5m larg.) costuradas em círculos, caracterizando um sistema similar a uma teia de aranha. Foram usadas 10 repetições, escolhidas ao acaso a partir de um conjunto de 75 árvores. 

    A produção de frutos foi calculada com base no total de cúpulas caídas nos coletores e coletadas nas copas das árvores (utilizando um podão de vara). No final do experimento, o total de frutos (inteiros, predados e sementes) foi comparado com o total de cúpulas (caídas ou na copa das árvores), e a diferença considerada como dispersão (frutos e/ou sementes potencialmente removidos) (Spironello et al. 2003). A produção de frutos de outras 11 árvores também foi quantificada, mas o método utilizado foi o de contagem direta, ou seja, os frutos foram coletados próximos da maturação por meio de um podão de vara.

    Os consumidores de frutos foram identificados através de observações in loco (censos e utilizando torre de observação) e através de marcas deixadas nos frutos. Os censos e a coleta de frutos foram realizados entre duas a cinco vezes por semanas.

     Os frutos foram divididos em quatro categorias: 
    1) abortos, 
    2) imaturos, 
    3) maduros e
     4) secos.

     Posteriormente, eles foram separados em cada classe de consumidor e categorizados como: viáveis, predados por vertebrados, infestados por larvas de insetos e inviáveis devido ao ataque de insetos. A taxa de viabilidade em frutos infestados por larvas de insetos foi testada em condições de laboratório; as sementes foram acondicionadas em pequenas caixas de plástico e mantidas com umidade controlada até o início de sua germinação. 

    As larvas de insetos foram identificadas in loco ou através das características físicas de seus dejetos (identificados a priori). Paralelamente, testouse o nível de ataque por larvas de insetos em frutos descartados (retirados da cúpula e rejeitados) e consumidos (ingeridos) por frugívoros.

    Análises estatísticas - Análise de correlação de Pearson foi utilizada para verificar associação entre variáveis (esforço reprodutivo, aborto, tamanho da árvore com base no Diâmetro a Altura do Peito (DAP) e infestação de frutos por insetos); análises não paramétricas foram usadas quando os dados não apresentaram distribuição normal. Um teste G foi empregado para especular se os consumidores de frutos maduros (polpa) selecionam frutos não atacados por larvas de insetos. As análises estatísticas foram definidas com base em Sokal & Rohlf (1995) e rodadas com o programa BIOESTAT 2.0 (Ayres et al. 2000).

    Resultados
    Esforço reprodutivo - A intensidade de aborto de frutos de pau-rosa variou de 10-75,5% entre as árvores amostradas, totalizando 39,5% (n = 10 árvores, 11.190 frutos). O número de abortos não foi correlacionado com a produtividade da árvore (r = 0,44; n = 10; P > 0,19). Excluindo os abortos, os resultados também mostraram grande variabilidade em relação ao número de frutos produzidos por árvore, entre 40 e 1.600 frutos, com uma média de 408 ± 406 frutos (18-31cm de DAP, n = 21). Os dados de produtividade individual mostraram baixa correlação com o tamanho dos indivíduos (r = 0,36; n = 21; P > 0,1). Considerando que nem todas as árvores do plantio produziram frutos anualmente no período de três anos, entre 87 a 96% dos indivíduos reprodutivos (n = 75 árvores), estima-se uma produção anual entre 23.000 (130kg) a 29.000 frutos (160kg). O tempo médio de maturação dos frutos foi de 419 (DP ± 39) dias, variando entre 12 e 15 meses (dados de fenologia de 2001-02).

     O período de frutificação da população foi de seis meses, com tempo médio de frutificação individual de 140 ± 22 dias (n = 12 árvores).
    Pressão de consumidores e de predadores de frutos - O nível de infestação de larvas de insetos em abortos foi bastante elevado para a maioria das árvores, com o mínimo de 38,5% e o máximo de 86,5% (10 árvores). Embora estudos controlados não tenham sido desenvolvidos para testar se os insetos induzem o aborto dos frutos, a freqüência de larvas de insetos foi menor em frutos imaturos coletados de outras árvores, variando entre 3-19,5% (484 frutos, n = seis árvores).

    Cerca de 42,5% dos frutos produzidos em sistema de plantio foram removidos por tucanos (n = 10 árvores, n = 6.770 frutos) (Spironello et al. 2003). Dos frutos não removidos (n = 3.910), somente 0,5% foram predados, ainda na fase imatura, por vertebrados (papagaios e ratos); 81,5% continham ataque de larvas de insetos (5% inviáveis) e 18% não apresentaram sinais de ataque (4% secaram na árvore). Informações individuais sobre o tamanho de DAP das árvores, produtividade, abortos, frutos maduros, frutos não removidos pelos frugívoros e nível de ataque de larvas de insetos em frutos de pau-rosa também são mostrados na Tabela 1.


    Considerando que cerca de 35% das sementes infestadas com larvas de insetos germinaram (n = 1.150 sementes testadas) e, que parte delas perde a viabilidade ainda na árvore, pode-se estimar perda de 59,5% dos frutos (54,7% por insetos) disponíveis para coleta. Três espécies de insetos foram verificadas atacando os frutos de pau-rosa. Um Coleoptera não identificado (Curculionidae) ataca os frutos durante a fase intermediária de desenvolvimento, enquanto outra espécie do gênero Heilipus sp. (77,5% dos frutos atacados) e um Lepidoptera não identificado (20%) atacam os frutos a partir da fase final de desenvolvimento (Fig. 2).

     O nível de infestação em frutos maduros não removidos pelos tucanos não foi associado com a produtividade da árvore (113-922 frutos, 29-96,5%, rs = 0,284; n = 10; P > 0,4). Nesta análise não foram considerados os frutos removidos por frugívoros, cerca de 40%. Os resultados indicam que os tucanos tendem a selecionar frutos não infestados ou sem ataque aparente de larvas de insetos; o índice de infestação em frutos cuja polpa foi totalmente consumida por tucanos foi menor (76%, n = 77 sementes) do que o esperado encontrar em frutos descartados (95%, n = 180 sementes) (G = 19,2 d.f. = 1; P < 0,001).


    Discussão
    Em sistema de plantio ocorreu grande perda de frutos em decorrência de abortos. Stephenson (1980) postulou que as plantas geralmente abortam frutos na fase inicial de desenvolvimento, como uma resposta à limitação de recursos. No entanto, em sistema de plantio, muitos frutos de pau-rosa abortaram durante a fase intermediária de desenvolvimento, fato que pode estar relacionado à baixa diversidade genética da população e/ou devido à ocorrência de autofecundação. Segundo Lee (1988), a origem do pólen interfere no sucesso de maturação dos frutos; aqueles oriundos de autofecundação apresentam maiores níveis de abortos do que os de fecundação cruzada.

    Por outro lado, a maioria dos frutos de pau-rosa abortados apresentou algum nível de infestação por larva de insetos. Apesar da tendência de que frutos jovens coletados diretamente das árvores apresentaram menor ataque de larvas de insetos, não foi possível testar se elas induzem o aborto. No entanto, considerando que as larvas de curculionídeos destroem todo o endosperma do fruto em desenvolvimento (Fig. 2A), é possível especular que o aborto seja uma estratégia da árvore para evitar gastos de energia. Algumas sugestões também poderiam ser consideradas em relação às causas de aborto em frutos, como verificando as influências de limitação nutricionais do solo, de intensidade de polinização, da fonte de pólen, do número de doadores de pólen e dos danos causados por insetos (Lee 1988). 

    Todos estes fatores, além da maior exposição à radiação solar (Spironello et al. 2003), provavelmente afetaram os resultados das análises testando associação entre produtividade e tamanho das árvores de pau-rosa em sistema de plantio.

    Dos frutos que atingiram a maturação, a taxa de infestação por larvas de Coleoptera e de Lepidoptera foi acima de 75% para a maioria das árvores estudadas. No geral, cerca da metade dos frutos atacados por insetos perderam a viabilidade. Vale salientar que 35% dos frutos de pau-rosa infestados por larvas de insetos ainda germinam, quando o embrião não é destruído. Mas, será que a perda parcial do endosperma não comprometeria o desenvolvimento da plântula? No caso de sementes de carvalho, houve maior mortalidade de plântulas quando os insetos destruíram grande parte do endosperma da semente (Fukumoto & Kajimura 2000; Branco et al. 2002).

    Outros fatores talvez contribuíram para a grande infestação de frutos por larvas de insetos em plantios, como o adensamento de árvores, fato que pode ter interferido na análise testando associação entre quantidade de frutos e nível de ataque por insetos. Infelizmente não existem dados comparativos na literatura sobre efeito de adensamento de espécies nativas e a relação ao ataque de insetos, entretanto há evidências de que em populações nativas ocorra grande perda de frutos de pau-rosa devido ao ataque de predadores de sementes, mas não existem dados qualitativos a respeito (Alencar & Fernandes 1978). 

    De qualquer maneira é possível especular que também haja perda significativa de frutos por ataque de insetos em árvores nativas. Estudos sobre espécies florestais arbóreas têm demonstrado que as sementes da maioria destas espécies são, em muito das vezes, severamente danificadas por vários grupos de insetos, principalmente das Ordens Coleoptera (Bruchidae, Curculionidae, Anthribidae e Cerambycidae), Lepidoptera (Pyralidae) e Diptera (Tephritidae) (Santos et al. 1996). De fato, na região do estudo constatou-se alta infestação de larvas de insetos em sementes de frutos de Sapotaceae (Spironello 2004). Por exemplo, uma espécie não identificada de coleóptero (Curculionidae) causou perda de 12% do total de sementes produzidas em Micropholis guyanensis (A. DC.) Pierre spp. duckeana (Baehni) (entre 2-17%, n = cinco árvores) e de 14% em Pouteria rostrata (Huber) Baehni (entre 7-40%, n = cinco árvores).

    Independentemente dos níveis de ataque, seja em populações naturais ou artificiais, é provável que existam diferenças interespecíficas quanto às defesas químicas da planta contra predadores. Por exemplo, o ataque de insetos foi muito baixo em apenas uma árvore estudada. Se esta resistência for comprovada, seria de extrema importância quantificar o ataque de insetos em árvores nativas para seleção de matrizes.

     Desta forma seria possível melhorar a eficiência da coleta de sementes no campo, assim como produzir mudas por propagação assexuada dessas matrizes, utilizando o método de estaquia (Sampaio et al. 2003). Por outro lado, ainda existem métodos alternativos para aumentar a viabilidade de sementes atacadas por larvas de insetos, como a retirada do tegumento da semente para acelerar a germinação (Ferraz 1993; Sampaio et al. 2003) e maturação artificial de frutos coletados próximos da maturação visual (dados não publicados).

    Excluindo os insetos, a taxa de predação de frutos de pau-rosa por vertebrados foi baixa. No entanto, há evidência de que aves da família dos Psitacídeos (Alencar & Fernandes 1978; Magalhães & Alencar 1979) promovem grande destruição de frutos de pau-rosa em populações nativas. De fato os Psitacídeos causam grandes perdas de frutos para muitas espécies de árvores neotropicais (Janzen 1972; Roth 1984; Forshaw 1989; Galetti & Rodrigues 1992; Galetti 1993; Spironello 2004). Sendo assim, é possível que eles utilizem mais ou menos intensivamente alguns recursos, a exemplo do pau-rosa, em decorrência da maior ou menor disponibilidade de outros alimentos na floresta.

    Em relação aos tucanos, houve poucos registros de sementes danificadas durante o forrageio e isto se deve ao fato de que estas aves consomem preferencialmente a polpa de frutos maduros e, quando ingerem os frutos, regurgitam as sementes (após 15-25min.) intactas, ou seja, sem ter alterado a viabilidade das mesmas.

    Finalizando, as larvas de coleópteros e lepidópteros, por atacarem as sementes, assim como os consumidores de polpa, como tucanos, por remoção, promovem grande perda de frutos de pau-rosa em sistema de plantio sob floresta primária.

     É provável que este padrão de consumo de frutos ocorra em populações naturais, porque tanto a estrutura vegetal quanto a comunidade animal permanecem pouco modificadas na área do plantio (Ribeiro et al. 1999).

     Ainda, somando-se ao fato de que as árvores nativas apresentam padrão de frutificação irregular (Magalhães & Alencar 1979; Spironello et al. 2003) é possível compreender a razão das dificuldades de se obter sementes no campo. Fica evidente, portanto, a necessidade de se empregar práticas de manejo para aumentar a disponibilidade de sementes de pau-rosa no mercado, entre elas: 1) coleta de frutos próximos do estádio maduro para maturação e germinação de sementes em laboratório; 2) controle de insetos adultos em sistema de plantio e de controle de larvas de insetos em frutos sob condições de laboratório; e 3) plantios ex situ a partir de sementes com maior resistência natural a pragas e doenças.

    Agradecimentos
    Os autores agradecem aos fomentadores desta pesquisa, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Fundação Ministério do Meio Ambiente (FMMA) ao Projeto JICA (Japan International Cooperation Agency); aos assistentes de campo Ana Paula, José Edmilson da Costa e Lucas da Silva Mergulhão, pela excelente colaboração durante as atividades de campo e laboratório; aos anônimos revisores, pelas sugestões e correções do manuscrito; ao Dr. Sérgio Vanin (USP), pela identificação de Heilipus (Coleoptera: Curculionidae); à Coordenação de Pesquisas em Silvicultura Tropical (CPST/INPA), pelo incentivo e apoio logístico durante o desenvolvimento da pesquisa.

    Referências bibliográficas
    Alencar, J.C. & Fernandes, N.P. 1978. Desenvolvimento de árvores nativas em ensaios de espécies, Pau-rosa (Aniba duckei, Kostermans). Acta Amazonica 8(4): 523-541.        [ Links ]

    Ayres, M.; Ayres Jr., M.; Ayres, D.L. & Santos, A.S. 2000. BioEstat 2.0: Aplicações Estatísticas nas Áreas das Ciências Biológicas e Médicas. Sociedade Civil Mamirauá e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).        [ Links ]

    Branco, M.; Branco, C.; Merouani, H. & Almeida, M.H. 2002. Germination success, survival and seedling vigour of Quercus suber acorns in relation to insect damage. Forest Ecology and Management 166: 159-164.        [ Links ]

    Clay, J.W.; Sampaio, P.T.B. & Clement, C.R. 1999. Biodiversidade Amazônica: Exemplos e Estratégias de Utilização. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas do Amazonas (SEBRAE), Amazonas.        [ Links ]

    Costa, L.G.S.; Ohashi, S.T. & Daniel, O. 1995. O Pau-rosa - Aniba rosaeodora, Ducke. Pp. 1-15. In: Ministério da Educação e do Desporto (ed.). Serviço de Documentação e Informação, Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, Belém.        [ Links ]

    Ducke, A. 1930. Relatórios das comissões desempenhadas pelo Chefe da Secção de Botânica, Adolpho Ducke, na região amazônica durante os anos de 1919 a 1928. Archivos do Jardim Botânico 5(3): 1-184.        [ Links ]

    Ducke, A. 1938. Lauráceas aromáticas da Amazônia brasileira Pp. 55-65. In: Anais da Reunião Sul-Americana de Botânica, Rio de Janeiro 1938. Jardim Botânico Ed., Rio de Janeiro.        [ Links ]

    Ferraz, I.D.K. 1993. Seed germination and seed storage of the species: Aniba rosaeodora Ducke. Pp. 10-15. In: Extractivism in Central Amazon, 1993. Report UNESCO.        [ Links ]

    Forshaw, J.M. 1989. Parrots of the Word. Lansdowe Press, Willoughby.        [ Links ]

    Fukumoto, H. & Kajimura, H. 2000. Effects of insect predation on hypocotyl survival and germination success of mature Quercus variabilis acorns. Journal of Forest Research 5: 31-34.        [ Links ]

    Galetti, M. 1993. Diet of the scaly-headed parrot (Pionus maximiliani) in a semideciduous forest in Southeastern Brazil. Biotropica 25: 419-425.        [ Links ]

    Galetti, M. & Rodrigues, M. 1992. Comparative seed predation on pods by parrots in Brazil. Biotropica 24: 222-224.        [ Links ]

    Janzen, D.H. 1972. Escape in space by Sterculia apetala seeds from the bug Dysdercus fasciatus in a Costa Rican deciduous forest. Ecology 53: 350-361.        [ Links ]

    Kostermans, A.J.G.H. 1938. Revision of the Lauraceae V: A monograph of the genera: Anaueria, Beilschmiedia (American species) and Aniba. Extrait dú Recueil des Travaux Botaniques Néerlandais 35: 834-930.        [ Links ]

    Kubitzki, K. & Renner, S. 1982. Lauraceae (Aniba). In: Flora Neotropica, Monograph 31. New York Botanic Garden, New York.        [ Links ]

    Kubitzki, K. & Kurs, H. 1984. Synchronized dichogamy and diocy in neotropical Lauraceae. Plant Systematic and Evolution 147: 253-266.        [ Links ]

    Lee, T.D. 1988. Patterns of fruit and seed production. Pp. 179201. In: J. Lovett & L.L. Doust (eds.). Plant Reproductive Ecology: Patterns and Strategies. Oxford University press, Oxford.        [ Links ]

    Leite, A.M.C.; Sampaio, P.T.B.; Barbosa, A.P. & Quisen, R.C. 1999. Diretrizes para o resgate e conservação da variabilidade genética de espécies amazônicas I-pau-rosa. Embrapa Amazônia Ocidental, Documentos 6.        [ Links ]

    Loureiro, A.A.; Silva, M.F. & Alencar, J.C. 1979. Essências madeireiras da Amazônia. INPA 2(18): 1-245.        [ Links ]

    Magalhães, L.M.S. & Alencar, J.C. 1979. Fenologia de pau-rosa (Aniba duckei Kostermans), Lauraceae, em floresta primária na Amazônia Central. Acta Amazonica 9(2): 227-232.        [ Links ]

    Oliveira, A.A. 2000. Inventários quantitativos de árvores em matas de terra-firme: histórico com enfoque na Amazônia Brasileira. Acta Amazonica 30(4): 543-567.        [ Links ]

    Prance, G.T. 1990. The floristic composition of the forests of Central Amazonian Brazil. Pp.112-140. In: A.H. Gentry (ed.). Four Neotropical Rainforests. New Haven, Yale University Press.        [ Links ]

    Rankin-de-Merona, J.M.; Prance, G.T.; Hutchings, R.W.; Silva, M.F.; Rodrigues, W.A. & Uehling, M.E. 1992. Preliminary results of a large-scale tree inventory of upland rain forest in the Central Amazon. Acta Amazonica 22(4): 493-534.        [ Links ]

    Ribeiro, M.N.G. & Villa Nova, N.A. 1979. Estudos climatológicos da Reserva Florestal Ducke, Manaus, AM. III: Evapotranspiração. Acta Amazonica 9(2): 305-309.        [ Links ]

    Ribeiro, J.E.L.S.; Hopkins, M.J.G.; Vicentini, A.; Sothers, C.A.; Costa, M.A.S.; Brito, J.M.; Souza, M.A.D.; Martins, L.H.P.; Lohmann, L.G.; Assunção, P.A.C.L.; Pereira, E.C.; Silva, C.F.; Mesquita, M.R. & Procópio, L.C. 1999. Flora da Reserva Ducke. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e Department for International Development (DFID), Manaus, Amazonas.        [ Links ]

    Roth, P. 1984. Repartição do hábitat entre Psitacídeos simpátricos na Amazônia. Acta Amazonica 14: 175-221.        [ Links ]

    Sampaio, P.T.B.; Barbosa, A.P.; Vieira, G.; Spironello, W.R.; Ferraz, I.D.K.; Camargo, J.L.C. & Quisen, R.C. 2003. Silvicultura do Pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke). Pp. 179-189. In: N. Higuchi; J.A. Santos; P.T.B. Sampaio; R.A. Marenco; J. Ferraz.; P.C. Sales; M. Saito & S. Matsumoto (eds.). Projeto Jacaranda Fase II: Pesquisas Florestais na Amazônica Central. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Manaus, Amazonas.        [ Links ]

    Santos, G.P.; Zanuncio, T.V.; Léo, E.A.; Duarte, N.F. 1996. Notas preliminares sobre danos causados por Hexachaeta sp. (Diptera: Tephritidae) em sementes de papagaio Aegiphila sellowiana Cham., 1832 (Verbenaceae). Cerne 2(2): 152-160.        [ Links ]
    Sokal, R.R. & Rohlf, F.J. 1995. Biometry: the Principles and Practice of Statistics in Biological Research. W.H. Freeman and Company, New York.        [ Links ]
    Spironello, W.R. 2004. The Sapotaceae community ecology in a Central Amazonian Forest: effects of seed dispersal and seed predation. Pp. 67-68. In: Resumos de Teses e Dissertações do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Smithsonian Tropical Research Institute, Manaus, AM.        [ Links ]
    Spironello, W.R.; Sampaio, P.T.B.; Vieira, G. & Barbosa, A.P. 2003. Ecologia reprodutiva do pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke, Lauraceae) em uma mata de terra-firme na Amazônia Central. Pp. 69-87. In: N. Higuchi; J.A. Santos; P.T.B. Sampaio; R.A. Marenco; J. Ferraz.; P.C. Sales; M. Saito & S. Matsumoto (eds.). Projeto Jacaranda Fase II: Pesquisas Florestais na Amazônica Central. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Manaus, Amazonas.        [ Links ]
    Stephenson, A.G. 1980. Fruit set, herbivory, fruit reduction, and the fruiting strategy of Catalpa speciosa (Bignoniaceae). Ecology 61(1): 57-64.        [ Links ]
    Vieira, A.N. 1970. Aspectos silviculturais do "Pau-Rosa" (Aniba duckei Kostermans). I. Estudos preliminares sobre o incremento volumétrico. Boletim do INPA 14: 1-15.        [ Links ]


    Recebido em 04/08/2003. Aceito em 20/04/2004


    * Autor para correspondência:
    Creative Commons License 
    Todo o conteúdo deste periódico, 
    exceto onde está identificado, está licenciado sob uma  
      Sociedade Botânica do Brasil
    Acta Botânica Brasilica/UEFS
    Av. Transnordestina s/n - Novo Horizonte
    44036-900 - Feira de Santana - BA
    Tel (55 75) 3226-1113

    J S BACH : KAFFEE KANTATE - BWV 211 -25 min.


     
    BWV 211  Coffee Cantata - 25min.
     
    Ton Koopman Amsterdam Baroque Orchestra
    Anne Grimm
    Klaus Mertens
    Lothar Odinius
    Opname C-majeur 2000
    Nowadays, Anne Grimm sings like:


    Primeiro T Recitativo

     Fique em silêncio não continuo, bate-paposE ouvir o que os historiadores itzund:Aí vem o Sr. rotinaCom sua Lieschen filha,Ele vibra como um Zeidelbär sim;Ouça por si mesmos o que eles fizeram com ele!

    Segundo Aria B 

    Violino I / II, viola, continuo não faço os filhosCentenas de milhares de julgamentos e tribulações! O que eu digo a cada dia para minha filha Lieschen, passe sem frutos.

    Terceiro B Recitativo S

     Baixo Contínuo Você menina má, você, garota-menos,Oh! quando vou receber meu:Faça-me um café longe!SopranoPai Senhor, não ser tão grave!Se eu não sou três vezes por diaNão pode beber minha taça de café,Então eu vou estar no meu tormentoComo um bode secou.

    4 Aria S 

    Flauto Traverso, continuo ovo! Como é doce o gosto do café,Mais encantadora do que mil beijos,Mais suave do que o vinho moscatel. Café, café, eu devo ter, e se alguém quiser refrescar-me, Oh dar, me um café!

    5 B Recitativo S 

    Se você não fizer isso continuo a lata de café,Tu não na festa de casamento,Além disso, não ir para uma caminhada.SopranoAh, sim!Apenas deixe meu café lá!BaixoPorque eu tenho o macaquinho!Eu não vou te dar uma saia barbatana de comprimento itzger.SopranoEu não consigo entender-me facilmente viver com isso.BaixoTu não vá para a janelaE as pessoas relógio passar!SopranoMesmo isso, mas são apenas pediuE me deixe meu café!BaixoTu não da minha mãoA fita de prata ou ouroReceba em seu castelo!Soprano Sim, sim! só eu o meu prazer!BaixoVocê solta Liesgen você,Então você vai junto com tudo isso?

    6 Aria B

     Continuo menina que sofria de graves sentidosNão são facilmente vencido.Mas você encontrar o lugar certoOh! Um sol sai feliz.

    7 B Recitativo S 

    Baixo ContínuoAgora, siga o que seu pai!SopranoAo todo, não apenas o café.BaixoBem! então você tem-se confortável,Além disso, nunca, ter um marido.SopranoAh, sim! Pai, um marido!BaixoEu juro que não vai acontecer.SopranoAté que eu possa fazer o café?Agora! Restos de café, são apenas mais!Pai, escuta, eu não beber.BaixoAssim deverá você finalmente ter um!

    8 Aria S

     Violino I / II, viola, cravo continuo Ainda hoje,Querido pai, fazê-lo ainda!Oh, homem!Verdadeiramente, essa sou eu! Se isso acontecer logo, que eu finalmente consegui na frente do café, antes que eu mesmo tenho que ir para a cama, um amor corajoso!

    9 T Recitativo

     Continuo agora está olhando para a velha rotina,Como ele apresentou sua filha LieschenLogo, um marido;Mas, secretamente Liesgen strew de:Nenhum pretendente vir a mim na casa,Ele fez isso porque eu prometi a mim mesmoE também devolveu o contrato de casamento,Que eu possa ser de permitir,Para o café, se eu quiser cozinhar.

    10 Coro (Terzetto) S T B 

    Flauto Traverso, Violino I / II, viola, continuo O leopardo não pode mudar suas manchas,As irmãs solteironas ficar de café. A mãe ama o café quente, a avó bebeu também, que agora quer culpar as filhas!fita de vídeo digitalcantata todo: http://youtu.be/dQyk1BEVERk


    Mozart,certamente
    bebeu muitos acordes
    - do Café de Bach

    Uns três golinhos
    de aroma idênticos
    - Café inspira Mozart.


    Enviado por em 28/06/2011
    Licença padrão do YouTube

    AMAZÔNIA SELVAGEM - Berço da Vida -NatGeo



     

    National Geographic - Amazônia Selvagem - Berço da Vida (Documentário Completo & Dublado) 

     Apicultura

    Uma
    abelha operária vive em média 40 dias e em cada colmeia pode haver de
    50 a 100 mil abelhas. Esta e outras informações você vê na reportagem
    que mostra, ainda, que a alimentação é que vai determinar a qualidade do
    enxame e do mel produzido pelas abelhas.
    Publicado em 29/04/2013-Licença padrão do YouTube
    Tecnologia :: Apicultura
    Publicado em 15/03/2014 na seção tecnologia ::
    Outros formatos: Texto e PDF